por que meu filho carrega um objeto pra todo lado?


Quem nunca viu uma criança agarrada a um brinquedo, ursinho de pelúcia ou até mesmo a um paninho que ela leva para onde for. Esses são os objetos de transição e, mesmo que pareçam uma mania diferente, eles têm uma explicação bem clara na psicologia. Confira 10 curiosidades que nós preparamos sobre o assunto e entenda o que está se passando na cabecinha do seu pequeno.

 

filha com boneca

 

1 – Porque esse nome?

A expressão “objeto de transição” está ligada ao significado que aquilo tem para a criança. Quando um bebê nasce, toda aquela proximidade com a mãe faz ele ter a impressão que os dois são um só. Conforme ele cresce, é desmamado e não fica mais o tempo todo no colo, esse pequeno precisa se apegar a algo que facilite esse momento de transição, que faça ele sentir que não está sozinho mesmo sendo um ser individual.

2 – O objeto de transição pode ser qualquer coisa…mesmo!

O paninho, o brinquedo e o ursinho de pelúcia são exemplos muito comuns de objetos de transição, mas eles não são os únicos. A criança pode se apegar também a alguma parte do corpo, como cabelo, orelha e cotovelos só conseguindo dormir quando está manipulando essas áreas – seja neles ou nos papais. Coisas mais subjetivas como um som,  um cheiro ou um movimento também funcionam às vezes como um objeto de transição, que vai acalmar e dar segurança para o pequeno.

 

brinquedos

 

3 – É perfeitamente normal ter um objeto de transição

Não é preciso se preocupar com a criança que se apega a um objeto de transição, pelo contrário, essa é a forma que ela arrumou de lidar com um momento difícil. Menos ansiedade por causa da separação da mamãe e uma explosão da imaginação são benefícios que vêm junto com esse costume.

4 – Não é toda criança que precisa de um objeto de transição

Apesar de ser saudável, nem toda criança vai ter a necessidade de criar um objeto de transição e não há nada de errado com isso: algumas crianças precisam e outras, simplesmente, não.

5 – Ninguém pode criar um objeto de transição para a criança

Os papais podem até oferecer um ursinho ou brinquedo para uma criança que está começando a dormir sozinha, por exemplo, mas isso não quer dizer que o pequeno vai se apegar aquilo como um conforto e segurança. A escolha do objeto que vai trazer esses sentimentos ocorre de forma espontânea e só pode ser feita pela própria criança.

6 – Pode acontecer da criança adotar mais de um objeto

Seu filho só consegue dormir agarrado a um ursinho e chupando dedo? Esses podem ser os dois objetos de transição que ele escolheu para se sentir mais seguro com esse momento de separação da mamãe. Às vezes acontece até mesmo um revezamento e uma criança que adotou uma boneca e um paninho por exemplo, pode solicitar apenas um de cada vez.

7 – Quando a criança vai abandonar esse objeto de transição?

Não existe uma hora certa para a criança abandonar o objeto de transição nem um período certo de tempo que ela possa ficar com ele. É entre 3 e 5 anos que elas costumam se desapegar – justamente porque nessas idades surgem novos interesses e uma segurança maior da própria individualidade. Se depois dos 5 anos o pequeno não conseguir se desapegar e o objeto de transição ganhar proporções muito exageradas, vale procurar ajuda psicológica para ver o que está por trás dessa necessidade. Mas atenção: nunca tente sumir com o objeto de transição para não acabar fazendo a criança sofrer – ela vai se livrar dele quando estiver pronta.

8 – O objeto pode acompanhar a criança na escola?

Escola não é lugar para o objeto de transição, mas existem algumas exceções. A primeira delas é a idade do bebê: caso ele ainda seja muito pequeno e esteja frequentando uma creche, por exemplo, o objeto pode ser interessante para a criança naquele local. O mesmo acontece para os primeiros dias na escola regular: se a criança fizer questão de levar, os pais não devem recusar. Isso vai dar segurança ao pimpolho para passar pelo período de adaptação à escola e depois, gradativamente, isso pode ser conversado com a criança para deixar o objeto em casa.

9 – Lave o objeto quando for preciso

O cheirinho do objeto de transição costuma ser uma parte muito importante para a criança porque geralmente é ele que lembra da mãe. Apesar disso, não lavar o paninho ou o bicho de pelúcia pode trazer consequências para a saúde do pequeno. Como vai para todo lugar e fica muito perto do rostinho da criança, a lavagem pode ser necessária, mesmo que seu filho vá sentir a diferença depois.

 

criança com urso de pelúcia

 

10 – Enfrente uma possível ausência do objeto com sinceridade

Imprevistos acontecem e pode ser que um dia esse objeto de transição fique perdido em uma mudança ou seja esquecido antes de uma viagem. Nessas horas os pais precisam estar preparados para a reação da criança, que pode chorar, ficar irritada e ter dificuldades para dormir. Converse com o seu filho explicando o que aconteceu e espere que o pequeno se adapte.

 

Já o desapego deste objeto tende a acontecer de forma natural. Não tem como dizer uma idade específica para que isso ocorra, mas em geral, até os 5 anos ainda é aceitável. Para cada criança o objeto transicional terá um sentido, o importante é observar como a criança lida com ele e por quanto tempo.

 

Abraços!

Valentina Kids

 

 

Fonte: Guia do Bebê

Giselda Martins
Sobre Mim

Meu nome é Giselda Martins, moro em Rio Verde –Góias, sou casada e tenho uma filha. Sou graduada em Administração de Empresas, e atualmente tenho desempenhado as funções de mamãe e editora do Blog Valentina Kids. O Blog foi inspirado na minha filha, visto que o universo infantil sempre me fascinou. Busco sempre me aprimorar para trazer o melhor conteúdo, proporcionando desta forma informações úteis para o dia a dia das mamães. Seja bem-vindo ao Blog Valentina Kids Um abraço! Giselda

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado, os campos marcados são obrigatórios *